Sobre a Companhia:

The New York Times

By the end of the wordless piece one is left with the eerie sense that the miniature figures are more real than the humans.

Stephen Holden

 

Los Angeles Times

... the tiniest gesture catches the heart...

Dan Sullivan

 

L'Express

... un petit spectacle merveilleux...

Matthieu Galey

 

Le Monde

Le public a eté étonné...

Michel Cournot

 

O Jornal do Brasil

Bonecos de vanguarda. Originalidade e beleza.

Yan Michalski

 

Folha de S. Paulo

De uma pequena sala de apresentação em Paraty, eles montam espetáculos para o teatro do mundo.

Nelson de Sá

 

Süddeutsche Zeitung

Ganz ohne Worte, vertmitteln sprechende Gebärden etwas über die Gefühle von Menschen.

Eva-Elisabeth Fischer

 

O Globo

É uma alquimia espetacular. É poesia cênica sem palavras, com muito sentimento.

Tânia Brandão

 

Isto É

Bonecos que emocionam. Um primor de lirismo e

arte cênica.

Carlos Eduardo Godoy

Maturando - NY Times 2.jpg
Maturando - NY Times 1 folha.jpg

Pequenos trechos de outras matérias sobre os espetáculos

 

El Norte de Castilla

Em Concerto - 12/05/2010

Lo más subrayable de este trabajo es la verosimilitud que exiben los movimientos de los titeres, desde los gestos de asombro hasta el balanceo de piernas. Uma manipulación orgânica, se há dicho, que crea vida más que reflejarla o imitarla. Y también la elección de lãs historias, nada convencionales, por saber encerrar tanta grandeza em tan mínimas expresiones.

Alfonso Arribas


Jornal do Brasil - Viagem 
Em Concerto - 13/07/2003
"Livros, congadas, pinga e arte cênica" 
Uma delícia de espetáculo: bonecos, apenas bonecos, mas que impressionam e passam emoção em cada gesto manipulado pelas artistas. É prudente reservar imgressos com antecedência, pois os cem lugares muitas vezes esgotam. / Bruno Agostini

 

Revista Isto é 
Descaminhos - 27/6/2001 
"Era uma vez... Contadores de Estórias faz 30 anos e comemora com espetáculo em Paraty"
(...)O mais recente trabalho da trupe estreou na sexta-feira 22, em Paraty, Rio de Janeiro, onde o casal vive desde 1981, em comemoração aos 30 anos do grupo. Em cartaz na cidade às quintas e sábados até o final do mês de julho, o espetáculo Descaminho é um bom pretexto para uma visita à histórica Paraty.(...) / Marina Caruso 

O Globo 
Descaminhos - 21/6/2001 
"Festa para os Contadores de Estórias em Paraty - Há duas décadas na cidade, grupo é atração turística" 
(...)Na década de 70, os bonecos eram gigantescos e os espetáculos, ao ar livre. Na de 80, eles ficaram menores, mais realistas, e ganharam omundo. Nos anos 90, a dança foi incorporada aos espetáculos, que ganharam mais movimento e até um espaço próprio. Nos 30 anos de estrada do Grupo Contadores de Estórias - uma referência cultural de Paraty que acabou se transformando numa atração turística da cidade , oque não faltou foi talento para mudar formatos, usar e abusar da criatividade e estar sempre atualíssimo. (...) / Maria Cristina Valente 

Jornal do Brasil 
Descaminhos - 21/6/2001 
"Bonecos balzaquianos - Contadores de Estórias comemoram 30 anos com Descaminhos e festa em Paraty" 
(...) Descaminhos retoma um estilo de apresentação que o grupo utilizava em suas primeiras peças, quando os bonecos ainda eram gigantes, e em espetáculos recentes como Museu Rodin vivo. Contracenando com os personagens de madeira estão bailarinos e atores de carne e osso, dando vida ao que Ribas costuma chamar de "espetáculo-exposição-intalação cênica". O que não muda no entanto, são duas técnicas que o grupo adotou há anos: fazer teatro de bonecos para adultos e contar histórias sem usasr palavras. "Somos mesmo um pouco abusados", define o casal. (...) / Marcella Franco 

Folha de São Paulo 
Descaminhos - 21/6/2001 
"Bonecos de corpo e alma" 
(...) Na década de 90, o grupo incorporou elementos da dança, arte que consta da formação de Ribas. A soma desses 30 anos, diz o diretor, aponta para uma concepção que resvala na instalação cênica. Essa perspectiva começou em "Museu Rodin Vivo" (1994), performance que integrou a exposição do escultor francês em São Paulo. E ganha mais visibilidade em "Descaminhos", a nova montagem, que também estréia na festa de aniversário. (...) / Valmir Santos 

Folha Online 
Em Concerto - 01/06/2001 
"Parati - Teatro de bonecos" 
(...) Nem só de história e belezas naturais vive Parati. A cidade exala cultura. Logo na entrada do centro histórico da cidade o turista se depara com a primeira e mais doce surpresa: o teatro de bonecos de Parati. Quem passa pelo Teatro Espaço pode ter a impressão de que aquele é apenas mais um prédio em que há uma lojinha que vende livros, cartões e artesanato. Mas lá dentro, um pouco mais ao fundo, é que a magia do teatro de bonecos, do Grupo Contadores de Estórias, contamina o público, que de um pequeno palanque, assiste extasiado ao "Em Concerto". (...)/ Janaina Fidalgo 

Folha de São Paulo 
Rodin, Rodin - 9/11/1993 
"Contadores de Estórias traz Rodin ao Sesc" 
No palco, três bonecos e uma escultura (ou umdos bonecos sendo criado) dividem a cena com quatro bailarinos, que reconstroem com seus corpos em movimento as esculturas do francês Auguste Rodin (1840-1917). Em diversas cenas aparecem simultaneamente, mas em planos diversos, bailarinos e bonecos, aproveitando toda a profundidade do palco.(...) 
Da Reportagem Local 

O Estado de São Paulo 
Rodin, Rodin - 9/11/1993 
"Contadores de Estórias abrem maratona do Sesc" 
Os Contadores de Estórias são os convidados especiais que abrem o evento Movimentos de Dança 93, realização do Sesc Consolação, este ano em sua sexta versão. "Não somos uma companhia de dança", ressalta Marcos Caetano Ribas, premiado coreógrafo e diretor que fundou o grupo em 1971, junto com Rachel Ribas. (...) / Dib Carneiro Neto 

La Patria 
Rodin, Rodin - 10/10/1993 
"El móvil de la belleza" 
Quiero hablar poco de Rodin, Rodin. La belleza está contenida allí. Qué es la belleza? Forma, concepto, música, vacío, poesía del movimiento o, a la manera de Baudelaire, uma revelación que nos hace gritar antes de caer vencidos. Las teorías y especulaciones en arte son válidas, pero realmente sirven a dicen algo? Estas palabras son el espejo de una experiencia sensorial y mental ante un espectáculo donde las medidas de tiempo y espacio nos conducen a un silencio visual que se desvanece tibio en la oscuridad. (...) / Alfonso Carvajal 

El Tiempo 
Rodin, Rodin - 2/10/1993 
"Esculturas de carne y hueso" 
(...) El director, su esposa y cuatro bailarines logran esculpir em carne, huesos, músculos y alma, toda la sensualidad y belleza de las obras que Rodin realizó em bronce y que Camille Claudel, su compañera, boceteó para dejar muestra de su dolor. (...) / Natalia Diaz Brochet 

Correio da Bahia 
Rodin, Rodin - 16/9/1993 
"A magia do teatro sobre a genialidade de Rodin" 
(...) "Estórias" mesmo, rejeitando qualquer compromisso factual que pudesse trazer a grafia com "h", Rodin, Rodin é um exemplo disso. Baseado em 64 trabalhos do mestre Fraçois Auguste René Rodin (entre esculturas e alguns desenhos) e mais duas esculturas de Camille Claudel, o espetáculo não trata da história da vida do escultor. Trata da emotividade de seu trabalho. Da força de suas imagens. Do minucioso transporte da subjetividade das artes plásticas para a subjetividade das artes cênicas. / Edson Rodrigues 

O Globo 
Rodin, Rodin - 17/8/1993 
"Estátuas de Rodin se soltam do pedestal Contadores de Estórias dão vida a esculturas em novo espetáculo" 
A lentidão do tempo que trafega por entre as pedras das ruas de Paraty tem sua melhor tradução no grupo Contadores de Estórias. Retire-se da palavra lentidão tudo que nela há de negativo. Um dos grupos brasileiros mais conhecidos no exterior, o Contadores, sediado há 12 anos na cidade histórica do litoral do Estado do Rio, vem desenvolvendo uma linguagem que reduz a marcha do convulsivo olhar urbano. (...) / Luiz Fernando Vianna 

Milwaukee - The Journal 
Maturando - 18/10/1991 
"Puppetry works for Maturando" 
(...) Although Grupo Contadores is best known for work with puppets, "Maturando", its most recent piece, combines puppetry with movement and theatrical effects. Still, the group's traditions are visible in the expert technique behind the puppetry. The puppets are manipulated without any sort of machinery; the performers, covered in black, simply move them by hand. Yet these rag dolls take on distinctly human qualities through tiny, everyday gestures. They play their simple scenes in a tiny world that seems a poetic distillation of our own. / Paul Gerard 

Jornal do Brasil 
Maturando - 12/10/1991 
"Contando estórias na América" 
Não é apenas nas folhas amareladas espalhadas pelas calçadas e parques de Nova Iorque que se nota a metamorfose das estações. No palco do Lepercq Space, na Brooklyn Academy of Music (BAM), também. O outono que a cidade testemunha encontra uma metáfora poética no espetáculo Maturando, do grupo brasileiro Contadores de Estórias, em cartaz no BAM até o dia 13.(...) / Márcia Fortes 

Dance Magazine 
Maturando - 1/10/1991 
"Wich are the puppets? Which are the human dancers?"
In a performance by the Brazilian company Contadores de Estórias, it is often difficult to establish who is who and what is what. (...) / Katia Canton 

Folha de São Paulo 
Maturando - 12/7/1990 
"Grupo de Parati leva seus bonecos a festival americano de vanguarda" 
É o máximo. Em 1991 o Grupo Contadores de Estórias vai se apresentar durante um mês dentro do Next Wave Festival, em Nova York, que pela primera vez recebe um espetáculo de bonecos. Não se trata apenas de outra viagem ao exterior dessa pequena companhia sediada em Parati, (...) O Next Wave é hoje o principal palco dos EUA em "performing arts", e são ilimitadas as oportunidades que podem surgir para quem cai em suas graças. (...) / Erika Palomino 

O Estado de São Paulo 
Impressões - 4/5/1990 
"Os Contadores de Estórias adotam o balé" 
Existe um território nebuloso entre as artes, em que as linguagens fluem em profusão ecumênica. Transitando por essas fronteiras de possibilidade lingüísticas, os encenadores Marcos e Rachel Ribas foram construindo o espetáculo Impressões, que consumiu dois anos de pesquisa, uma mistura de teatro, dança, mímica, cinema, pintura, escultura, música e poesia. (...) / Evaldo Mocarzel

Jornal do Brasil 
Impressões - 17/4/1990 
"Imagem do gesto" 
(...) Impressões mostra a vitalidade do grupo Contadores de Estórias, em permanente procura de expressão própria. Mesmo com a ainda relativa insuficiência de autonomia, os Contadores demonstram na sua atual fase que continuam comprometidos com a busca da emoção. Mas Impressões causa, sem dúvida, um grande prazer pela possibilidade de usufruir um tempo dramático carregado de poesia e permeado de belas imagens. / Macksen Luiz 

O Globo 
Impressões - 6/4/1990 
"Histórias do Mundo" 
(...) Dividido em 12 quadros, Impressões mantém a mesma estrutura dos três últimos espetáculos do grupo: uma sucessão de breves e silenciosas cenas dramáticas, interligadas pro temas afins. A novidade fica por conta das situações, menos delineadas e sem grandes referenciais de tempo e espaço. (...) / Lionel Fischer 

Diário de Lisboa 
Maturando - 28/4/1989 
"Muitas palavras não enchem cesto" 
Têm a proporção das pulsações mais elementares da vida, os bonecos de Marcos e Rachel Ribas, animadores do brasileiro Grupo de Contadores de Estórias. Personagens feitos de espuma de borracha sobre uma estrutura articulada de madeira, tão-só isso, eles ganham no palco a alma e o movimento que os faz quase humanos e autónomos, possuidores de uma sensibilidade própria que dir-se-ia já não ser da responsabilidade directa das mãos que os manipulam. Olhando-os, sentimos-lhes a respiração, os mais imperceptíveis sinais de uma existência iludidamente real e a expressão de um interior que se revela como se fosse construído de emoções, coração e tripas.(...) / Rui Eduardo Paes 

Jornal do Brasil 
Maturando - 13/11/1987 
(...) Maturando é um espetáculo dirigido àqueles que compreendem a manifestação teatral como uma suspensão do real, como a possibilidade de reinventá-lo num tempo poético. Menos importante do que a técnica cada vez mais sofisticada do casal Ribas é o fato de Maturando prosseguir na investigação do teatro como um espaço de pesquisa em que a maturidade não é um objeto em si mesmo, mas um renascer, como tão bem demonstra no quadro final: Primavera. / Macksen Luiz 

O Estado de São Paulo 
Maturando - 14/8/1987 
"Poético universo feminino" 
(...) Os bonecos são movidos com expressividade e ritmo exato, indicando um difícil exercício de observação da fisiologia do ser humano. (...) / Alberto Guzik 

Veja 
Maturando - 12/8/1987 
"Poesia do gesto - em Maturando, união de bonecos e atores" 
(...) Um trabalho em que o artesanal se junta com a ourivesaria. Cada fisionomia tem personalidade própria, cada boneco um jeito típico de se movimentar. Tudo isso requer perícia e tempo. Maturando foi sendo criado durante três anos, enre viagens e estadias na sede do grupo. Mas seus cinco bonecos, das crianças de Fogo, à mulher de Concepção, em cena, parecem adquirir vida própria. Esse é o grande trunfo dos Contadores de Estórias. / João Candido Galvão 

Isto é 
Maturando - 12/8/1987 
"Maturidade estética - Bonecos e atores num espetáculo para adultos" 
(...) O revezamento entre atores e bonecos nos papéis, artifício pela primeira vez utilizado pelo grupo, reforça sua simbologia contundente: os atores copiam os movimentos pausados dos bonecos e o resultado lembra o teatro oriental, ritmado e despojado. É a maturidade estética de um grupo que desenvolve um dos mais inovadores trabalhos do gênero no país. / Luís André do Prado 

O Estado de São Paulo 
Maturando - 6/8/1987 
"Os bonecos que tocam a platéia" 
(...) Não fosse a sombra (primeiro fugaz, depois imperceptível) dos atores no palco, dirigindo as articulações, podia-se pensar que os bonecos são teleguiados por controle remoto, movimentados por telepatia ou feitiçaria Vodu. Os bonecos sensualizam o espetáculo, comovem e fazem pensar. (...) / Carlos Arruda 

El Dia 
Pas de Deux - 21/5/1986 
"La realidade hecha magia" 
(...) Al final, cuando haya desaparecido la magia y el encantamiento, se restregará los ojos, que habían estado absortos, concentrados em la intimidad de aquellos seres, y aplaudirá gratificado y sonriente, a los creadores de aquel mundo. / Salvador Alonso 

La Presse 
Mansamente - 28/5/1985 
"Ravissant!" 
La troupe brésilienne Grupo Contadores de estorias, "les conteurs d'histoire", a présenté au Festival de teéâtre des Amériques um spectacle ravissant, dans tous les sens du mot.(...) / Aline Gélinas 

Le Devoir 
Mansamente - 27/5/1985 
"L'effet Curchack et la grâce amazonienne" 
(...) Rachel et Marcos Caetano Ribas, ont réussi à donner au premier FTA (Festival des Amériques) ces cinq minutes les plus intenses sans employer um seul mot, sans faire autre chose que manipuler dans le noir deux miniscules marionnettes (um couple d'Indiens adolescents) s'adonnant aux gestes de l'amour avec une attention et une douceur aux sommets dr la sensualité. / Robert Lévesque 

Daily News 
Mansamente - 10/11/1984 
"Puppet show doesn't string audience along" 
The elements are simple - lifelike miniature puppets, two pairs of gently guiding hands, naturalistic scenery and stirring rhythmic music - but their combined effect is completely absorbing, almost hipnotic.(...) / Gina Shaffer 

San Francisco Chronicle 
Pas de Deux - 20/10/1984 
"Grown-up Puppets With an Interior Life" 
Spectacle and sensory overkill have become so customary in the theater that it sometimes seems we've all lost our capacity to absorb the smaller, subtler expressions of human experience. (...) / Steven Winn 

Lest Républicain 
Mansamente - 27/5/1983 
"16e Festival Mondial du Théâtre" 
(...) Leur érotisme est d'une tendre et belle précision. A um tel point que notre propre chair nous parâit, pour um instant, plus artificielle que la leur./ Gérard Fénéon 

O Estado de São Paulo Pas de Deux - 26/11/1982 "Bons atores marcam os títeres dos Contadores" Pas-de-deux é um poema concretizado no palco, com o devido toque de síntese e de beleza.(...) / Ilka Marinho Zanotto 

O Estado de São Paulo 
Pas de Deux - 21/11/1982 
"Pas de Deux: poéticos pedaços de vida." 
(...) O casal de artistas não demora a obter o resultado que pretende. A malha negra completa-se com o capuz, sugerindo que a intenção é a de apagar-se para que apenas os bonecos adquiram vida diante do espectador. A princípio, não se consegue separar os bonecos das mãos que os movimentam. Depois, a presença dos manipuladores deixa de ser notada, mesmo se eles determinam o vôo das borboletas. Rachel e Marcos Ribas como que se transmudam nas suas criaturas. / Sábato Magaldi 

Veja 
Pas de Deux - 17/11/1982 
"Pequenas jóias. Um teatro de bonecos só para adultos" 
(...) Cada vez mais, a serenidade com que os bonecos enfrentam o inevitável e sua força dramática, mesmo quando em repouso, são prova de grande talento e da extrema competência dos seus atores. / João Candido Galvão 

O Globo 
Mansamente - 4/9/1982 
"Mansamente um espetáculo de bonecos brasileiros conquista o público norte-americano" 
Nova York - Mansamente, sem forçar alardes, os bonecos de Raquel e Marcos Ribas, "Grupo Contadores de Estórias" (Prêmio Mambembe de 81 pela melhor contribuição ao teatro) vem conquistando o público americano de várias cidades, casa lotada todo fim de semana. (...) / Sonia Nolasco-Ferreira 

The Villager 
Mansamente - 26/8/1982 
"Mansamente Reaches into Eye of the Heart" 
There is nothing quite like it in New York at the moment, and it's an experience that should not be missed.(...) / Rob Baker 

The New York Times 
Mansamente - 24/8/1982 
"Puppets: Three Plays From Brazil" 
Narrative, puppetry, scenic design and haunting Brazilian music by Helena Pinheiro merge into a cohesive work of performance art. "Mansamente" means "gently", and there is a serenity about the evening that is transporting.(...) / Mel Gussow 

The Village Voice 
Mansamente - 24/8/1982 
"Mansamente puppets" "Mansamente" is a Portuguese word meaning "gently", and it is also a Brazilian puppet show of adult dimensions performed by the Grupo Contadores de Estórias. The show has been appearing about town, and tonight at 8 it spins its tales of Brazilian peasants and Indians at the Center for Inter-American Relations, 680 Park Avenue, at 68th Street. (...) / Richard F. Shepard 

Sunday Journal 
Mansamente - 15/8/1982 
"Keith Ashwell at the Summer Fest Fringe" 
(...) This performance by these two, so dedicated and so totally concerned about the ultimate in production values, was breath-taking in its concentration, in the tenderness and reality of the detail and in the enormous impact of these small but special statements of theatre as a reflection of reality. 

The Globe and Mail 
Mansamente - 12/8/1982 
"Puppets sweetly eloquent" 
Three tales unfold with generosity, beauty and poetry (...) / Ray Conlogue 

San Francisco Chronicle 
Mansamente - 7/8/1982 
"Puppetry Wizardry" 
Part of the delight is seeing a whole world in miniature - not diminished but enhanced by a jewel-like precision. A shrug of the shoulder, a glance, a hand wiping a tiny brow: each is as clear as the minute, starry flower of an illuminated medieval manuscript.(...) / Kate Regan 

Chicago Reader 
Mansamente - 30/7/1982 
"Mansamente at the Puppet Place" 
Each (story) is told with a slow dignity and meticulously observed detail. The sheer perfection of the Ribases' technique is marvelous to watch. (...) / Antony Adler 

O Globo 
Pas de Deux - 14/5/1982 
"Um sensível e delicado Pas-de-deux" 
(...) Em todos os quadros, porém, é impressionante como apesar da presença física concreta e visível dos manipuladores, os bonecos vão, progressivamente, ganhando um sopro de vida próprio e autônomo, fonte de permanente surpresa no espetáculo. Se a poesia que emana da montagem - oriunda da própria linguagem do grupo - parece mais adequada ao meio ambiente rural e indígena de "Mansamente" do que ao sufoco dos pequenos quartos de "Pas-de-deux", é inegável que o espetáculo provoca um prazer estético capaz de mobilizar os espectadores mais sensíveis. / Flavio Marinho 

Jornal do Brasil 
A História das Cebolas - 1977 
"Do folclore coreano para as crianças cariocas" 
(...) Com A História das Cebolas, adaptada por Rachel Ribas, o grupo espera obter o mesmo sucesso do ano passado, quando encenou A Fantástica História de Melão City, também ao ar livre, principal característica do grupo. Os grandes bonecos de papier-maché, criados pela mesma Rachel, dão um colorido todo especial ao espetáculo, o que certamente será do agrado do público infantil. (...) / Carlos Alberto Rodrigues 

O Globo 
A História das Cebolas - 9/4/1977 
"A estória das cebolas: lúdica e livre" 
(...) A estória das cebolas é um espetáculo muito bonito, solto e inteligente e que deve ser visto tanto pelos filhos como pelos pais. (...) / Clovis Levi 

Pais e Filhos 
A Fabulosa História de Melão City - 1/8/1976 
"Era uma vez... As fadas invadem as praças" 
Como Maria Clara Machado, o grupo Os Contadores de Estórias utiliza, em seus relatos, muitos elementos teatrais. E, nos fins de semana, tem enriquecido a imaginação de centenas de crianças cariocas. Ao contrário da autora, porém o grupo de jovens - que atinge um público maior e mais diversificado, ao se apresentar em parques públicos - não faz um trabalho dirigido especialmente às crianças. (...) 

Jornal do Brasil 
A Fabulosa História de Melão City - 18/4/1976 
"Grupo de teatro experimental leva à praça a fantástica história de Melão City" 
(...) Essa História Fantástica de Melão City, um conto do folclore afeganistão, foi narrado ontem pelo Grupo Contadores de Estórias, dirigido por Marcos Caetano Ribas, no Parque da Cidade para mais de 2 mil pessoas, em sua maioria crianças. O espetáculo faz parte do programa da Diretoria de Parques e Jardins da Prefeitura, para promover recreação e lazer, nas praças do Rio.(...) 

O Globo 
A Fabulosa História de Melão City - 17/4/1976 
"Não percam a fabulosa história de Melão City" 
(...) Os belos e expressivos bonecos de Rachel Ribas, a direção musical de Marcelo Bernardes (é impossível imaginar tudo aquilo sem a música), o elenco formado por Vera Fróes, Rô Reyes, Paulino de Abreu, Zezé Polessa, Gilda e Rachel Ribas - tudo isso auxilia Marcos Caetano Ribas, coordenador geral do espetáculo e também um dos atores na obtenção de um resultado altamente positivo e que não deve deixar de ser visto.(...) / Clovis Levi 

Jornal do Brasil 
A Fabulosa História de Melão City - 17/4/1976 
"Em Melão City o teatro é no parque (com bonecos e banda de música)" 
Figurinos coloridos e bonecos em papier-maché, se espalhlam pelo verde do Parque da Cidade. Faixas integram visualmente o espaço do parque. Os gestos dos atores são desenhados contra a luz do sol. (...) / Mara Caballero 

Jornal do Brasil 
A Fabulosa História de Melão City - 1976 
"Com bom tempo, uma festa na quinta" 
(...) Os bonecos são excelentes, as máscaras são belíssimas, a música é contagiante, os atores criam personagens muito divertidos. Mas quem ajuda a fazer a festa é o público, na redescoberta de uma alegria simples, de achar graça, de torcer, de dar sua opinião num julgamento, de sentar na grama junto com os filhos, de voltar à força primitiva da velha situação tribal em que a comunidade se reunia em volta dos contadores de histórias. (...) / Ana Maria Machado